quinta-feira, maio 10, 2012

BACA OU BERACA? EM QUE VALE ESTAMOS?

“BEM-AVENTURADO O HOMEM CUJA FORÇA ESTÁ EM TI, EM CUJO CORAÇÃO SE ENCONTRAM OS CAMINHOS APLAINADOS, O QUAL, PASSANDO PELO VALE DE BACA , FAZ DELE UM MANANCIAL...” ( Salmo 84.5.6.). “AO QUARTO DIA SE AJUNTARAM NO VALE DE BERACA, ONDE LOUVARAM O SENHOR...” ( 2 Crônicas 20.26). Esse dois vales são muito importantes na nossa caminhando com Cristo, e com toda certeza passamos por eles várias vezes no trajeto em direção á cidade celestial. O vale de Baca é o vale árido, seco, e nos fala das dificuldades em que sentimos como que o sol causticante a arder sobre as nossas cabeças; olhamos a nossa volta e só vemos sequidão, estio. Desejamos um pouco de água para nos refrescar a sede, nos trazer refrigério, mas parece que tudo é somente um convite para desfalecermos. Contudo, as escrituras afirmam que para o homem cuja força está no Senhor, o vale de Baca é apenas um lugar onde ele pode demonstrar de quem ele é, a quem pertence, quem é o seu Deus. Por mais seco que seja o vale, por mais difícil que seja a situação aos olhos humanos, quando não há perspectivas positivas, quando os prognósticos são desfavoráveis, para essa pessoa a trajetória por esse vale faz com que o mesmo se transforme, aleluia! O vale é árido, porém, enquanto o homem cuja força está no Senhor vai passando, aquele lugar seco vai se transformando em manancial, onde a água é abundante! O segredo para esse milagre é termos a nossa força no Senhor, confiarmos nEle, não confiarmos em nosso braço de carne, tampouco em nossa competência, experiência, sabedoria humana, em promessas de homens, enfim, mas dependermos totalmente do Senhor, aí sim, somos instrumentos de transformação das situações onde o Senhor nos permite passar, glória a Deus! Se estás no vale de Baca muda de posição; coloca a força no Senhor, depende dEle em tudo e em todas as coisas e verás a grande transformação neste momento que estás a viver, aleluia! Também o coração deve estar com os caminhos aplainados; andando em veredas de justiça . Isso é possível quando o Senhor é de fato o nosso Pastor e nós somos suas ovelhas , pois como está escrito: “... GUIA-ME PELAS VEREDAS DA JUSTIÇA POR AMOR DO SEU NOME.” ( Salmo 23.3). Se andarmos em caminhos tortuosos jamais poderemos transformar o vale de Baca em manancial! O vale de Beraca, ou de bênção, é o lugar em que comemoramos a vitória que o Senhor nos dá. Josafá tinha sido vitorioso juntamente com o povo de Israel em uma batalha em que eles não tiveram que pelejar; o Senhor fez acontecer tudo e eles só tiveram que tomar posse da vitória. Para comemorar o fizeram no vale de Beraca, ao qual denominaram vale de bênção, aleluia! Se o Senhor lhe deu uma vitória festeje a vitória do Senhor em sua vida no vale de Beraca! Celebre ao Senhor; louve o Seu Santo Nome; adore-O na beleza da Sua santidade; tire um tempo do seu dia somente para estar aos Seus pés em louvor e adoração. Faça do vale de Beraca um lugar frequente em sua vida e eu farei na minha, pois, afinal, cada dia o Senhor peleja as nossas guerras, vence as nossas batalhas; cada dia é uma conquista na nossa vida espiritual e se fora a ajuda do Senhor estaríamos irremediavelmente perdidos. Precisamos fazer do vale de Beraca um lugar mas presente no nosso dia-a-dia meus amados; temos tantas bênçãos para agradecer que não há como expressar porque esquecemos, infelizmente. Que o Senhor nos ajude a sermos agradecidos, pois há uma ordem na Palavra: “... SEDE AGRADECIDOS.” ( Colossenses 3.14) Em nome do Senhor Jesus, vivamos hoje o vale de Baca como alguém cuja força está no Senhor e em cujo coração estão os caminhos aplainados, para que possamos produzir transformações visíveis a todos quantos nos observam e o Nome do Senhor será glorificado através das nossas vidas, enquanto que, celebremos as vitorias do Senhor no vale de Beraca com um coração profundamente agradecido e reconhecendo que somente Dele vem a vitória, o socorro, a graça, a misericórdia, toda a boa dádiva e todo o dom perfeito, glória a Deus! MARANATA!

2 comentários:

Flávio Moreira disse...

Mãinha, não consigo mandar email pra Sra. Então vou mandar minha homenagem por aqui, talvez não acesse internet:-)

"Alegrem-se teu pai e tua mãe, e regozije-se a que te gerou." Provérbios 23.25


Uma mulher foi renovar a sua carteira de motorista. Pediram-lhe para informar qual era a sua profissão. Ela hesitou, sem saber bem como se classificar.
- O que eu pergunto é se tem um trabalho, insistiu o funcionário.
- Claro que tenho um trabalho, exclamou. Sou mãe.
- Nós não consideramos "mãe" um trabalho. Vou colocar "Dona de casa", disse o funcionário friamente.
Não voltei a lembrar-me desta história até o dia em que me encontrei em situação idêntica. A pessoa que me atendeu era obviamente uma funcionária de carreira, segura, eficiente, dona da situação, perguntou:
- Qual é a sua ocupação?
Não sei o que me fez dizer isto, as palavras simplesmente saltaram-me da boca para fora:
- Sou Doutora em Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas.
A funcionária fez uma pausa, a caneta de tinta permanente a apontar para o ar e olhou-me como quem diz que não ouviu bem. Eu repeti pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas. Então reparei, maravilhada, como ela ia escrevendo, com tinta preta, no questionário oficial.
- Posso perguntar, disse-me ela com novo interesse, o que faz exatamente?
Calmamente, sem qualquer traço de agitação na voz, ouvi-me responder:
- Desenvolvo um programa a longo prazo (qualquer mãe faz isso), em laboratório e no campo experimental (normalmente eu teria dito dentro e fora de casa). Sou responsável por uma equipe (minha família), e já recebi quatro projetos (todas meninas). Trabalho em regime de dedicação exclusiva (alguma mulher discorda?), o grau de exigência é em nível de 14 horas por dia (para não dizer 24 horas). Houve um crescente tom de respeito na voz da funcionária que acabou de preencher o formulário, se levantou e, pessoalmente me abriu a porta. Quando cheguei a casa, com o título da minha carteira erguido, fui recebida pela minha equipe: uma com 13 anos, outra com 7 e outra com 3 anos.
Do andar de cima, pude ouvir o meu novo experimento (um bebê de seis meses), testando uma nova tonalidade de voz.
Senti-me triunfante!
Maternidade... que carreira gloriosa!
Assim, as avós deviam ser chamadas:
"Doutora-Sénior em Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas".
As bisavós:
"Doutora- Executiva- Sénior".
E as tias:
"Doutora - Assistente".

Unknown disse...

Simplesmente, profundamente FANTÁSTICO.